quarta-feira, 31 de março de 2010

O PODER DAS PALAVRAS

José Luongo da Silveira

“... e se achar que falo escuro não mo tache, porque o tempo anda carregado; acenda uma candeia no entendimento”. (Osvald de Andrade, in: Memórias Sentimentais de João Miramar).

A palavra se fez presença
no diagrama das formas
e deu origem a todas as coisas.
Iluminou o caos primeiro,
onde antes havia trevas e escuridão
e o tempo dividiu os instantes,
nasceu o ritmo e massas em movimento.

Rompeu o véu-de-idéias
e povoaram-se as esferas,
chegou a vida e a consciência,
a sombra e a luz,
o bem e o mal:
a ciência dos opostos.

Até hoje, desde a reza das aldeias,
uma coisa só existe se ela é dita,
se atravessa o velo do mistério
que toma o nosso entendimento
e aguarda por uma manifestação.

As palavras nunca voltam vazias,
mesmo quando expressam coisas vãs,
elas vêm carregadas de um sentimento
que ultrapassa a nossa compreensão.

Nenhuma palavra se perde,
da doçura dos amantes
ao murmúrio dos crentes
e é na voz de cada criança
que se renova o sentido da vida.

Fico me perguntando,
para onde irão as palavras não ditas,
os sentimentos reprimidos,
por acaso, se amontoam no inconsciente coletivo
e vão moldar as lembranças que compartilhamos?

Os sons da terra estão presentes
na palavra que se disfarça de muitas formas:
no murmúrio das águas em movimento,
no balouçar das folhas ao soprar do vento,
no canto da gaivota que desata o vôo e foge,
nos lobos uivando para a lua à distância
e na onda que se quebra na praia deserta.

Dizem que outrora todas as palavras
foram divididas entre Deus e o diabo:
vêm das profundezas as que atiçam a cólera,
açoitando a esperança do coração dos homens
e as demais, que dançam ao ritmo dos nossos desejos
mais legítimos, nasceram por certo da divina mão.

Que a língua do insensato, mais terrível que a espada,
não profira palavras que condenam,
fazem adoecer e produzem a morte
e que só os lábios da mulher amada desperte com devoção,
toda a força que se esconde no bramir do mar.

4 comentários:

  1. Belos poemas professor. Pois não é que fui seu aluno no XV de Novembro, nos ídos de 1992, lá no século passado? Que prazer encontrá-lo neste "mundo pequeno" da Internet. Quis também o destino que eu viesse a estudar Filosofia. Dê um passeio no meu blog
    ivonirleher.blogspot.com

    Fraterno abraço, do seu aluno Ivonir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, meu amigo. Saudade daqueles tempos ...

      Excluir
  2. Nossa!
    Hoje consegui captar a essência desse poema!
    Já fazia luas que o lia, mas hoje, hoje o senti em minha alma!
    Nossa!
    Só isso posso dizer, para exprimir-me por uma interjeição, e repito: nossa!
    Grande abraço, do teu amigo!
    Rodrigo.

    ResponderExcluir
  3. Rodrigo, almas nobres, como a tua, são receptívas ao belo ...

    ResponderExcluir